RECEBER O ALUNO COM DEFICIÊNCIA NA SALA DE AULA NÃO SIGNIFICA INCLUSÃO | Pós Graduação Facvest

Receber o aluno com deficiência na sala de aula não significa inclusão Receber o aluno com deficiência na sala de aula não significa inclusão, há necessidade do preparo do docente para conhecer o tipo de deficiência e a historia de vida do aluno, sua relação com seus familiares e vice-versa; saber como trabalhar com outros…

Fonte: RECEBER O ALUNO COM DEFICIÊNCIA NA SALA DE AULA NÃO SIGNIFICA INCLUSÃO | Pós Graduação Facvest

Sorteio Instituto Mix

Instituto Mix com uma parceria incrível com o Instituto Semear e Crescer , sorteou AO VIVO este lindo BUQUÊ DE CHOCOLATE para as mãezinhas da Semear e Crescer. Uma forma de homenagear todas essas mães guerreiras !! PARABÉNS A GANHADORA ANA PAULA ALVES, 

 

1ª Festa do Boi e do Porco no Rolete da APAE Praia Grande

 

 

Nós da APAAPG Semear e Crescer estaremos presente!

Vem aí 1ª Festa do Boi e do Porco no Rolete da APAE Praia Grande
Onde: Espaço de Eventos Jair Rodrigues (quadradão quietude)
Quando: Dia 20/05
Horário: Das 12:00 às 22:00

Venha prestigiar mais um evento e se deliciar com o Boi e Porco no rolete e acompanhamento!! Além de prestigiar os shows.

Aguardamos sua presença.

Dúvidas e convites:
(13) 3356-5388
(11) 98884-0719

Feliz Dia das Mães!

O que traz no peito uma mãe de uma criança com necessidades especiais?
Necessidades Especiais… o que será que significa isso na prática, no dia-a-dia, no mais profundo de seu termo?

Ainda que não consiga responder a esses e outros questionamentos que surgem durante a vida de uma mãe especial, disponho-me a resenhar… refletir singela e brevemente…
Há quem diga que tudo é planejado, antes mesmo de virmos à Terra. Uma espécie de acordo.
Há também aqueles que afirmam que Deus confia filhos especiais a mães especiais…
Tudo isso é bem acalentador e pode até ser consolador e inspirador.
Mas, apenas Deus sabe verdadeiramente o que acontece na intimidade do nosso dia-a-dia, nas horas em que estamos com nossos filhos, na peleja, lutando para que eles possam se desenvolver o máximo possível, ter os sinais do autismo cada vez mais minimizados, quiçá até extinguidos…

Discursos romantizados podem ser até acalentador, mas precisamos verdadeiramente é de pessoas que sejam capazes de compreender e nos ajudar nos momentos mais difíceis. Como por exemplo, quando estamos na rua ou num outro local público e nossos filhos começam a dar trabalho, a se comportar atipicamente, a gritar, chorar, chutar, bater ou qualquer outro tipo de comportamento que, de certo modo, dificulta qualquer possibilidade de não estranheza diante da situação.

Precisamos que nos compreendam. Que entendam a situação, que sejam solidários. Esses comportamentos atípicos podem ser desencadeados por diversos fatores… A hiper ou hipo sensibilidade a quaisquer estímulos exteriores, por exemplo. Em situações como essas o que desejamos é muita compreensão e carinho das pessoas ao redor. Que alguém seja capaz de nos olhar compassivamente e nos estenda a mão de modo a nos sentirmos seguras e não mais temerosa e aflita.

São momentos como esses que entramos num processo de auto conversão, por assim dizer…

Quero dizer que em situações desesperadoras com nossos filhos, sobretudo em locais públicos onde os olhos da maioria nos fitam com repreensão, desaprovação, repúdio, entramos numa espécie de conflito interior.
E aí os “por quês” tendem a reaparecer com intensidade:
Por que meu Deus?
Por que comigo?
Por que com meu filho?
Por que o ser humano não pode ser mais solidário, gentil, humanizado a ponto a compreender a dor do outro e, se não puder ajudar, ao menos não criticar?
Por que? Por que? Por quês…
Quantas vezes nos perguntamos se estamos fazendo o certo, se estamos sendo a mãe ideal para nossos filhos???
A mãe ideal é a mãe que cuida, que abraça, que corrige, que ama. Mãe não é um estado civil, econômico ou profissional.

Mãe é algo mais profundo.

Tanto que Deus só mencionou um amor quase similar ao seu, o amor de mãe, quando citou: “Pode uma mãe esquecer-se de um filho que mama? Todavia, ainda que essa venha se esquecer desse, eu jamais esquecerei de ti.” (ISAÍAS, 49:15)
Concluindo que embora o amor de uma mãe pode ser intenso, o dEle é imensurável.

E, se Deus, que é o amor ágape, o amor maior te aceitou assim meu filho, como eu que sou tão inegavelmente pecadora, vou te recusar? Não, não vou te recusar, tampouco lamentar! Mas, vou fazer tudo que estiver ao meu alcance para te ver bem. Para que você seja feliz!

 

 

A Feijoada foi um sucesso!!

Muito obrigado a todos que ajudaram (doando alimentos, ajudando na entrega, na preparação da feijoada, na compra dos nosso kits)  à fazer este domingo tão especial um sucesso.

 

Um obrigado muito especial aos queridos amigos:

Karol, sua avó Maria das Graças e todos os membros de sua família.

As maravilhosas Fernanda, Caroline, Cibeli, Kelly, Fátima, Ivanéia, Claudia.

E um grande obrigado ao  Supermercado Atacadão e ao Hort Frut Holanda e todos pais envolvidos.